24
maio

Tudo que falamos

Uma simples palavra tem a força de um vulcão.
Depois de dita, a palavra não tem volta.
Uma vez que sai da nossa boca, devemos nos responsabilizar pelas conseqüências.
Quantas vezes nos arrependemos do que dissemos no passado? Quantas vezes nossas palavras fizeram alguém chorar ou rir? Falamos mais palavras de amor ou de raiva? Nervosismo ou acalento?

E o mais importante: Quantas vezes dizemos coisas sem pensar?
Não notamos, mas tudo o que dizemos marca de forma indelével tanto o outro como a nós mesmos. Muitas vezes dizemos: “Ah, só fiz um comentário bobo”, achando que nossas palavras não tem importância, mas elas podem ser usadas tanto para a destruição quanto para o engrandecimento de alguém. Muitas vezes uma simples palavra nossa, era a gota que faltava para transbordar o copo, e você não sabia.

Mas terá que arcar com as conseqüências dela. Outro aspecto interessante é que nunca sabemos quem está prestando atenção em nós. Sempre existirão pessoas se espelhando em nossas atitudes, usando o nosso exemplo. Somos exemplos para nossos filhos, sobrinhos, e talvez para aquele colega de trabalho, aquela vizinha, ou um amigo.

Muitas vezes é quem menos imaginamos. Só de convivermos em grupo somos observados e analisados pelos outros e nossas palavras e atos podem servir de inspiração, podem direcionar atitudes e pensamentos, modificar uma vida. O cuidado deve ser redobrado se temos como profissão o aconselhamento, a medicina, a psicologia, o magistério, e profissões onde levamos a nossa palavra a outras pessoas como o jornalismo, a tv e o rádio, e se somos pais e temos a vida dos filhos sob nossa responsabilidade. Não somos responsáveis só por nós. Somos responsáveis pelos outros também, por todos que nos cercam. Nossa contribuição no mundo pode ser fantástica ou catastrófica. Pense na repercussão das palavras de Hitler.

Ele mobilizou o mundo, milhões de pessoas inocentes foram mortas nos campos de concentração, destruiu famílias e quem sobreviveu carregou, para sempre, o terror dentro da mente e do coração. Pense agora nas palavras de um outro homem: Jesus Cristo. Também serviu de exemplo, mobilizou milhares de pessoas na sua época, só que suas palavras continuam vivas até hoje, trazendo paz, esperança e impulsionando o ser humano para a evolução. Ele falou de amor, enquanto o outro falou de ódio. Jesus nos deu o exemplo e nos disse como viver de forma boa e digna. Tanto um como o outro, são ótimos exemplos de como cada um faz uso das suas palavras. Perceba a diferença que estas fizeram no mundo. Será que não é hora de você também começar a prestar mais atenção no que diz? Por: Maria de Fátima Hiss Olivares

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado