17
fevereiro

Tristeza profunda

Existem dias que ficam cinzentos, o corpo não colabora, não há vontade de levantar da cama nem para conversar, assistir a um filme e muito menos praticar aquela atividade física. Isso pode ser traduzido como uma forma de expressão da tristeza. Esse sentimento faz parte das reações do ser humano diante de situações críticas que não desejamos.

Em geral, nesse momento, paramos e fazemos um balanço geral colocando todas as possibilidades de saída para esta situação. A manifestação da tristeza pode ser uma oportunidade de crescer e se recuperar”, explica Ana Merzel, coordenadora do Serviço de Psicologia do Hospital Israelita Albert Einstein (HIAE).

Sabe-se que a tristeza é tão importante quanto a felicidade, pois a dupla garante o equilíbrio. Por outro lado, se a tristeza é profunda e leva a pessoa a desistir de tudo, é melhor ficar alerta.

O problema se inicia quando esses períodos de tristeza ficam frequentes e intensos, levando a pessoa à depressão – um mal que atinge 121 milhões de pessoas em todo o mundo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), estima-se que em 2020 a depressão será a segunda doença que mais provocará incapacidade.

“É importante ficar atento quando a tristeza é frequente e tem impacto no cotidiano, gerando dificuldade em realizar as atividades de vida diária, como se relacionar e trabalhar”, esclarece Ana Merzel.

A depressão é tão séria que pode levar ao suicídio. Mas os sintomas são claros: humor depressivo, perda de interesse e de prazer nas atividades diárias, sentimentos de culpa, baixa auto-estima, distúrbios do sono, falta de apetite, pouca energia e dificuldade de concentração. Alguns desses sinais por alguns dias são normais, segundo os especialistas mas, caso permaneçam por mais de 15 dias, é importante buscar ajuda médica.

Em busca de equilíbrio 

Quando as mudanças no comportamento são notadas é preciso agir rápido. A depressão – uma das complicações da tristeza – é um sério problema de saúde e, dependendo do estágio e da intensidade, é preciso contar com a ajuda de profissionais, entre os quais psicólogos e psiquiatras.

Há casos em que é necessário o uso de medicamentos que bloqueiem os efeitos da depressão, estimulando a produção de serotonina – neurotransmissor responsável pelas sensações de prazer. Os especialistas do Einstein alertam, porém, que o uso de medicamentos só deve ser feito com prescrição médica. Mesmo porque quem adota uma vida baseada no uso de remédios sem necessidade convive com sentimentos artificiais. “Os medicamentos tem grande importância no tratamento, mas não podem ser utilizados indiscriminadamente pelo resto da vida. Não somos máquinas que vivem de forma sistematizada”, alerta Ana Merzel.

As terapias são responsáveis por auxiliar o paciente a repensar a situação e lidar com os problemas. Os exercícios físicos também são uma ótima pedida. “Com o tratamento, as pessoas aprendem a vivenciar suas questões, a gerenciá-las e a reconhecer seus limites. A família também é fundamental nesse momento, principalmente ao apoiar o paciente”, afirma o dr. Alfredo Maluf Neto, psiquiatra do Núcleo de Medicina Psicossomática do HIAE.

Fonte: Hospital Israelita Albert Einstein

SAIBA MAIS:

Combata a depressão sem químicos sintéticos
Depressão Mal do século XXI

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE, BEM-ESTAR, MENTE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado