4
novembro

Ter muitos amigos no Facebook pode estar associado ao aumento no tamanho de áreas cerebrais

Apesar de as redes sociais terem uma influência enorme na vida de muita gente, pouco se sabe sobre o seu impacto em nosso cérebro. Mas uma pesquisa da University College London (UCL) sugere que exista uma ligação direta entre o número de amigos que uma pessoa tem no Facebook e o tamanho de certas regiões do seu cérebro. A hipótese levanta a possibilidade de que o uso de redes sociais online provoca alterações cerebrais.Por meio de imagens de ressonância magnética, os pesquisadores analisaram o cérebro de 125 estudantes universitários, todos eles usuários ativos do Facebook, e as compararam com o resultado obtido em outro grupo de 40 alunos que não usavam a rede social. Houve uma forte ligação entre o número de amigos no Facebook e a quantidade de “massa cinzenta” que os voluntários possuíam na amídala cerebelosa, no sulco temporal superior direito, no giro temporal médio esquerdo e no córtex entorrinal direito. A massa cinzenta é a camada de tecido do cérebro onde ocorre o processamento mental.

A espessura da massa cinzenta na amídala também foi ligada ao número de amigos no mundo real, mas o tamanho das outras três regiões parecia ser correlacionados apenas para conexões online. As quatro áreas do cérebro envolvidas são conhecidos por desempenhar um papel na memória, respostas emocionais e interações sociais.

A questão, agora, é ver o que é causa e o que é efeito. Ter mais amigos no Facebook foi o que causou o crescimento dessas regiões cerebrais ou o fato de essas regiões serem maiores foi o que fez com que as pessoas tivessem facilidade em fazer amigos? Segundo Ryota Kanai, que participou do estudo, um passo importante agora é descobrir se essas estruturas cerebrais podem mudar com o tempo ou não. Super

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE, NOTÍCIAS por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado