14
julho

Solidão! Que mal é esse?

Existe uma frase muito famosa que diz que podemos nos sentir só, mesmo rodeados de pessoas. Mas como isso é possível?

Que sentimento é esse que tanto nos anula, nos aprisiona e nos entristece. Há aqueles que afirmam que estar sozinho é bom, é uma opção. A rotina, o stress, a correria do dia a dia servem de desculpas ou fugas para explicar a solidão. Alguns recorrem aos bichinhos de estimação, outros mergulham na internet, muitos mentem para si mesmos com tais afirmações de que está tudo bem, mas o fato é que o ser humano não nasceu para ficar só.

Claro que não podemos ser extremistas. Todos nós precisamos de um tempo a sós, para relaxar, pensar, organizar nossos planos e projetos pessoais e este período pode ser muito bom e construtivo. Mas neste artigo vou falar sobre o outro lado da solidão. Solidão é um estado emocional… Não é estar só… É sentir-se só…

A solidão tem muito haver com o estado de espírito, não é uma condição concreta. Diversas pesquisas já foram realizadas para descobrir o que acontece com as pessoas que sofrem de solidão para poder ajudá-las.
Soubemos então que o problema dos solitários é que eles se comportam de maneiras específicas , se colocando em situação de solidão e apresentando assim uma dificuldade em construir relacionamentos sociais.
Geralmente as pessoas solitárias não falam de si mesmos, são mais tímidas, fechadas, introvertidas. Se você não se abre, pode fazer com que os outros também se fechem para você. Quando seu estilo de interação é centrado em si mesmo, e você faz poucas perguntas pessoais, interativas e dá respostas curtas, tende a levar o outro a se esforçar muito para estar ao seu lado.
A dificuldade em ser assertivo, de se colocar em uma conversa, faz com que o outro ocupe a posição passiva no relacionamento. Ele se cala pensando em conservar a relação, mas na realidade, a insatisfação contida só torna tudo pior. Preste atenção em sua entonação de voz, se é lenta, rápida, curta, alta ou baixa demais. Cuidado porque estes padrões podem provocar irritação no outro e fazer com que ele se afaste de você.
Os solitários geralmente são desconfiados, sempre têm a sensação de que serão enganados, iludidos, usados, algumas vezes até porque já foram traídos, mas não dá pra se defender de todos e de tudo, e quando menos se espera você se pega entristecido por se sentir só.
Que imagem você passa para os outros? Pode ser a de abandonado, a de vítima, a de sério. Quando foi que você sorriu pela última vez? Geralmente o solitário vive com o rosto fechado. Quem está ao redor entende a mensagem que você emite, ou seja, que quer ficar sozinho. Como você foi criado para interagir com as pessoas é muito comum ter recebido alguns estilos de educação muito rigorosos ou flexíveis demais, o que também pode prejudicar as relações sociais.
Normalmente o solitário tende a desanimar com tudo. Acha que nada poderá mudar sua condição, coloca a culpa nos outros para justificar a distância social, ou é fútil, ou consumista, ou despreocupado ou ainda preocupado demais com a avaliação alheia. “O que os outros vão pensar de mim? Será que vão gostar de mim ou vão querer que eu vá embora? ” As emoções sentidas por quem está sofrendo com a solidão são: ansiedade, tensão, inquietação, psicosomatização, hostilidade, medo, agressividade, depressão, pensamentos suicidas.
E você solitário deve ser perguntar. E agora?
Ninguém precisa e nem merece viver a assim. A terapia é um recurso disponível para vencer essas dificuldades. Ainda que a solidão tenha sido provocada pelas circunstâncias da vida, como final de namoro, casamento, mudança de cidade, emprego, colégios, crescimento dos filhos, doença, recuperação física em função de acidente e aposentadoria. Afinal é difícil conversar sobre o trabalho quando você está longe desse meio? Tem também as mudanças de status: você foi promovido no trabalho e os que eram seus colegas agora são seus subordinados. Isso separa emocionalmente as pessoas.
Outras vezes nada disso aconteceu, continuamos casados e convivendo com nossos amigos, mas a solidão aparece porque houve perdas dos laços emocionais.
Assumir novos papéis na vida também pode levar a um estado de solidão… Por ex.. Você se casou e sua nova vida não permite o mesmo contato com seus amigos solteiros.
Ou só você está solteiro e seus amigos todos casados. Ou você tem filho e destina a maior parte de seu tempo aos cuidados com ele. As relações mudam porque os interesses mudam.
Às vezes é necessária a ajuda de um psicólogo. É importante identificar a causa da solidão. A terapia é a oportunidade de aprender a enfrentar essas situações. Através da Psicoterapia Corporal a pessoa é vista como um todo; mente e corpo integrando um indivíduo único na intenção de lapidar e aprimorar suas potencialidades!
Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado