4
setembro

Só um novo amor apaga o antigo?

O fim de um relacionamento é sempre doloroso. Quando é forçado pra uma das partes então… Letícia, coitada, mal pôde aproveitar o namoro sem pesos na consciência com Luciano e já o perdeu. Achando que o amor da sua vida está morto, ela passa a se envolver com Miguel e aceita até se casar com ele. Assim, quem sabe, não apaga de vez Luciano de suas lembranças e pára de sofrer tanto?
Assim como a personagem, homens e mulheres da vida real acreditam que isso é possível. Quando uma relação termina, mas o amor pelo outro continua, apostam em novos relacionamentos como forma de se desvencilhar dos sentimentos que ainda os prendem à outra pessoa. Mas será que só mesmo um novo amor para nos fazer esquecer o antigo?
Quando, por algum motivo, o relacionamento acaba, surge um vazio, a pessoa se sente sem forças, sem vida e sem o que fazer. Os dias não passam, a dor da perda muitas vezes torna-se insuportável! E, como a dor é da falta de uma pessoa a quem se dedicar e amar, automaticamente, a pessoa acaba buscando outro para ‘colocar no lugar’, preencher o vazio, supondo que, desta forma, resolverá o problema”, explica a psicóloga Olga Tessari. Assim como Olga, atores como Cléo Pires, Carmo Dalla Vacchia e Sergio Marone, e colunistas de “O Globo” como o psiquiatra Alberto Goldin e a escritora Martha Medeiros opinaram sobre o tema. Eles mostram que, nem sempre, a substituição imediata é o caminho das pedras…
Cléo Pires – Tem que ir até o fim
Não acho que só um novo amor nos faz esquecer um antigo. Pra mim, isso nunca funcionou. Tenho que terminar uma história, pra começar outra. Não consigo emendar um relacionamento no outro.”
Carmo Dalla Vecchia – Só o tempo apaga
As pessoas podem viver sozinhas também e isso não ser, necessariamente, um problema. Um novo amor deve ajudar muito, mas nada como o tempo pra esquecer definitivamente.”
Sergio Marone – Jogo aberto com o ‘substituto’
Um novo amor é uma boa forma de tentar desencanar de um antigo. Só acho importante deixar clara a situação pra pessoa com quem se está no momento. É o que Letícia tem feito com Miguel.”
Alberto Goldin – Segundo amor atesta que a ferida já cicatrizou
O ser humano precisa elaborar o que perde. Elaborar significa aceitar que perdeu, chorar pelo que perdeu, sofrer… É como a cicatrização de uma ferida. Quando arrumamos um amor no lugar de outro, é porque a dor já não é tão intensa. Nenhuma mulher se apaixona por outro homem no velório do marido! Quando há um segundo amor, é porque a ferida já está mais cicatrizada e a pessoa já pode encarar uma nova relação. Um amor antigo não se esquece porque não apareceu um outro. Essa pessoa não pode ficar sem ninguém. Então, é melhor amar um ‘morto’ ou um ‘desaparecido’ do que amar a ninguém…”
Martha Medeiros – Novo amor tem que ser especial
Tudo que se refere ao amor é complexo, nada é simples. A princípio, acho que um grande  
amor pode ser curado com outro, mas é preciso que este outro realmente desperte nosso interesse, que seja algo especial. Pode funcionar e pode não. Às vezes, o ‘novo amor’ só reforça a força do amor que sentíamos pelo ex. A verdade é que não existe uma fórmula mágica para o esquecimento. Mas se for pra generalizar, apóio a tentativa de esquecer através de novos relacionamentos.”
Olga Tessari – Ficar sozinho é trabalhar a auto-estima
A pior coisa do mundo é tentar deixar de sofrer com a perda de alguém buscando um novo relacionamento logo em seguida. Assim, estaremos buscando alguém muito semelhante àquele que nos deixou. Mas como cada pessoa é única, certamente o novo amor não corresponderá a todas as expectativas e, certamente, a cada frustração por descobrir que o novo amor não é como o anterior, o sofrimento vem novamente. Entendo que a dor da perda leva as pessoas a fazerem qualquer coisa para não sentirem mais esta dor, mas é preciso primeiro passar pelo período de luto pela perda, chorar, cuidar de si próprio, aumentar a auto-estima, fortalecer-se, amar-se, ficar só! Somente depois deste período é que a pessoa poderá estar pronta para ter um novo relacionamento por completo. Não esquecemos o que vivemos, a nossa história sempre será lembrada! O que podemos fazer é parar de sofrer por causa do passado, por aquilo que vivemos. E, para isso, precisamos encerrar um relacionamento dentro de nós, colocar um ponto final, para somente depois iniciarmos um novo.”
Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado