4
julho

Ser criança no mundo das tecnologias

Os bons pais procuram dar o mundo exterior aos seus filhos,os pais brilhantes procuram dar-lhes o seu próprio mundo.” Augusto Cury

Nossas crianças estão cada vez mais em contato com a vida adulta, esquecendo de viver a realidade da fantasia, da imaginação e das brincadeiras. Tornou-se normal crianças assistirem à programas onde a violência tem uma ênfase maior, onde o normal é ser temido, seja por seu poder financeiro ou por armas.

Os pais, estão cada vez mais sem tempo de brincar com os filhos e transmitir essa atenção tão importante. Substituem essa atenção com computadores super modernos, Internet, vídeo games e cursos para capacitação, esquecendo que substituir não é acrescentar, é preciso se divertir, correr, pular, dançar,alegrar-se com eles.

Faça isso e irá descobrir que é um mágico onde suas mágicas darão origem a efeitos incríveis e imediatos em seus filhos, pois jamais esquecerão desses momentos. Descobrirão que o normal é ser feliz e alegre, e o estranho é ser estressado e ansioso.

Deixe seus filhos se sujarem com barro e tintas de colorir, não permita que a sujeira da depressão e do consumo excessivo caminhe no solo dos sentimentos de nossas crianças.

Não podemos permitir que elas cresçam antes da hora, que sejam crianças na idade, mas adultas no comportamento. Não ache normal chegar em casa e ver seu filho(a) na sala, bem arrumado, assistindo televisão,usando a Internet, ou jogando vídeo game. Não entenda que isso é sinal de boa educação ou bom comportamento, simplesmente por ter a casa em ordem, as paredes sem manchas, os papeis e os lápis guardados, os amigos cada um em sua casa.

Espere chegar em casa e ver uma cena diferente, papeis espalhados, desenhos coloridos, amigos de seu filho na sua casa correndo, paredes manchadas, conversas, fantasias e sinta-se realizado por saber que seu filho saberá dividir o espaço de sua casa com a alegria e a felicidade.

As paredes podem ser pintadas, os papeis rasgados ou guardados, os amigos podem seguir rumos diferentes, mas este momento nunca será mudado na vida de nossos filhos.

Fonte

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado