30
abril

Seja criança!

Tenho contato diário com crianças no trabalho, mas só há pouco tempo duas pessoinhas invadiram minha vida pessoal, graças a Deus. É incrível como aprendemos com elas. Basta prestarmos um pouco de atenção para vermos como vivemos nossa vida errada, nossa tão correta vida de ser adulto. Para uma criança a vida é simples, fácil, por isso estão sempre sorrindo. Este sorriso é parte constante do dia, riem sem motivo, só pelo fato de estarem vivas, acham tudo engraçado, tudo é novo e merece ser descoberto.

Os adultos que já conhecem tudo e não vêem mais tanta graça deveriam re-aprender e redescobrir o mundo, quem sabe olhar para tudo como se não conhecessem nada.

Crianças dormem quando sentem sono e só comem se estão mesmo com  fome, elas se respeitam. Nós crescemos e deixamos a hora do sono pra lá por termos que trabalhar mais, assistir àquele programa na tv que nem era tão interessante assim, para jogarmos conversa fora…, comemos além da conta para suprir carências, fazer o cozinheiro feliz, ou porque é pecado não “rapar” o prato com tanta gente passando fome.

Para uma criança o importante é o agora. Ela não tem muita noção do que é passado e futuro, por isso vive tão plenamente, tão intensamente. Vive onde é importante, no presente.

Uma criança quando gosta de alguém, gosta mesmo e quando não gosta consegue ser verdadeira e demonstrar. Nós criamos teias de falsidades, mentiras e situações dúbias que são contrárias ao que realmente pensamos. Só para não nos indispormos com alguém, ou sentirmos que não somos queridos e amados por todos. A criança quando quer falar algo, fala. É verdadeira, doa a quem doer, mas ela não guarda nada e os adultos acabam babando de vontade de ter esta autenticidade novamente, pois já se esqueceram de como ela alivia a alma.

Uma criança canta, corre, brinca, se mexe o tempo todo. Ela sente a sua energia a mil, sabe do prazer do movimento e de como nos sentimos mais felizes com isso. A brincadeira exercita a criatividade, faz sonhar, fantasiar, criar, ela se permite isso. Ela se permite dizer coisas absurdas, criar uma língua só dela, ser boba, fazer o que dá vontade. Enfiar o dedo no bolo, plantar bananeira, dar um susto, se esconder só para ver o outro procurar, nadar de noite, sair na chuva, gritar quando algo dói e poder chorar tanto quanto necessário.

Você se permite estas coisas?
O contato com nossa criança interior por vezes fica obstruído, então precisamos de pequenos guias para nos ensinar a sermos felizes de novo. Procure conviver mais com crianças, estes pequenos anjinhos de luz, que ainda estão mais em contato com o céu do que com a terra, por isso fazem da vida um paraíso. Relembre como era bom ser feliz e re-aprenda a viver.

Imagem: Stock images
Por Maria de Fátima Hiss Olivares

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado