5
agosto

Qualidade de Vida

Como tem sido a sua vida? Qual é a qualidade que a sua vida tem?

Segundo a Organização Mundial de Saúde (1991), a qualidade de vida pode ser definida como a manutenção da saúde, em seu maior nível possível, em todos os aspectos da vida humana: físico, social, psíquico e espiritual.
Uma série de estudos científicos comprova: se o aspecto emocional/psicológico não está bem, a conseqüência é o surgimento de problemas de saúde e doenças, pois a estabilidade emocional é o alicerce básico para que uma pessoa se mantenha saudável como um todo!
A maior parte dos problemas de saúde que acometem as pessoas hoje em dia está relacionada às preocupações e às obrigações do dia a dia: passamos a maior parte do tempo preocupados com o trânsito, com a violência, com as contas a pagar, se seremos demitidos, se em algum momento seremos acometidos por algum problema sério de saúde, quando vamos morrer, além de nos tornarmos escravos do consumismo desenfreado, querendo sempre ter o melhor para poder exibir para os outros! 
Mas a que preço? Preocupar-se demais é viver de menos, é caminhar para o estresse, o grande vilão da atualidade! Estressados dormem mal, irritam-se facilmente, são impacientes, não conseguem manter a concentração nas suas atividades, geralmente têm “brancos de memória”; além disso, podem gerar conflitos e confusões à toa com as pessoas a sua volta e sentem-se muito mal consigo mesmos por não se sentirem com o controle de suas vidas!
É normal e natural a preocupação em cumprir com as obrigações do dia a dia, mas, quando vivemos apenas em função delas, sobrevivemos e deixamos de usufruir o que a vida tem de melhor. Observe as crianças: elas estão sempre em busca da satisfação pessoal, da alegria e do estar bem consigo mesmas. E o adulto? Sempre estressado, correndo atrás do tempo, sempre ocupado, na maioria das vezes, com suas obrigações, mas deixando de lado o prazer de viver por absoluta falta de tempo ou por se sentir cansado demais até para sair do sofá!
O bem estar emocional/psicológico consiste em estar de bem com a vida, aceitar-se como você é, saber lidar com as adversidades e os problemas da vida, sem se deixar abater ou paralisar-se por conta deles, valorizando cada um dos momentos vividos: se foi um momento bom, comemore muito e se foi um momento ruim, aprenda com a experiência para evitar que ele aconteça novamente. Lamentar-se ou permanecer sofrendo só colabora para que o emocional se abale!
Os problemas fazem parte da vida, mas a vida não pode girar apenas em torno deles! Ela vai muito mais além e, infelizmente, por conta da sobrecarga de responsabilidades que assumimos e pelo tempo dispendido para cumprir com todas elas, esquecemos que o bom da vida consiste nas mínimas coisas: sorrir para as pessoas, cumprimentar seus vizinhos, dançar, cantar, observar a natureza, ter uma conversa boa e agradável com as pessoas a sua volta sem hora para acabar, brincar com as crianças, sonhar e dar asas à criatividade e à imaginação positiva, criando e recriando momentos bons que somente você mesmo é capaz de saber!  
São esses pequenos momentos de descontração que colaboram para a estabilidade emocional e que servem como antídoto contra o stress.
Lembre-se: qualidade de vida é a alegria de viver e viver bem de acordo com o que é bom para você mesmo, sentindo-se você mesmo com as pessoas que estão à sua volta. Problemas e responsabilidades fazem parte da vida, mas jamais podem ser a única razão da vida! Reserve alguns momentos do seu dia para satisfazer os seus desejos, para descontrair e relaxar!
E como diz o ditado: uma boa vida é aquela que é bem vivida! Que tal redefinir para si mesmo o que é viver bem? 
Fonte: olgatessari.com
Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado