20
outubro

PROTEGER OS SOLOS DA MEMÓRIA

Todos querem o perfume das flores, mas poucos sujam as mãos para cultivá-las…

Proteger os solos da memória é cuidar da qualidade dos arquivos conscientes e inconscientes que contêm os segredos da nossa personalidade. É se preservar do registro do medo, do desespero, das mágoas, enfim, do lixo de nossa existência. É também reescrever os arquivos doentios já arquivados. Todos se preocupam com os arquivos dos computadores, mas raramente alguém se preocupa com as mazelas e misérias arquivadas em sua memória. Se não protegermos a memória, é possível ter uma vida completamente infeliz, mesmo com uma infância saudável.

Por favor gravem isso. Nos computadores o registro depende da vontade, na memória humana o registro dos pensamentos e emoções é involuntário, realizado pelo fenômeno RAM (registro automático da memória). Nos computadores, a tarefa mais fácil é apagar os arquivos; no homem é impossível, a não ser por traumas cerebrais. Embora difícil, precisamos aprender a proteger a nossa memória. Toda angústia, medo, agressividade e idéias negativas registram-se e não podem mais ser deletadas, só reeditadas. Diariamente, você planta flores ou constrói favelas na sua memória. Como assim?

AS FAVELAS DA MEMÓRIA

Vamos comparar a memória com uma grande cidade, cada bairro com um arquivo e cada endereço com uma informação. Diariamente arquivamos novas informações que constroem belos bairros ou áridas favelas. Por isso há ricos pobres e pobres ricos. Muitos moram em bairros nobres, querem ficar distantes das zonas pobres. Mas nos solos de sua memória pode haver inúmeras favelas, arquivos doentios. Alguns são privilegiados financeiramente, mas miseráveis interiormente. Em duas mansões há jardins, mas na sua emoção há tristeza e
desolação.

FOBIAS
As fobias são provenientes de uma interpretação distorcida que gera um registro exagerado de um objeto fóbico: insetos, animais, pessoa, ambiente. A claustrofobia é o medo de lugar fechado, tal como um elevador; a acrofobia é o medo de altura; a fobia social é o medo de lugares públicos; a fobia simples é o medo de insetos e animais. Mas o pior tipo de medo é o medo do medo. O fenômeno RAM fotografa bilhões de experiências durante nossa existência. Todos nós, mesmo os que tiveram uma infância feliz, adquirimos enormes favelas no inconsciente. Quais são as suas favelas?

UMA BARATA MAIS PODEROSA DO QUE UM SEQUESTRADOR
Dependendo do volume de tensão, as experiências existenciais podem ser registradas de maneira tão traumática que controlam a inteligência. Uma barata pode ser registrada como um monstro, um elevador como um cubículo sem ar, uma reunião em grupo, como um ambiente agressivo e castrador. Lembro-me de uma paciente que foi seqüestrada e ficou mais de um mês no cativeiro. Sabe qual a primeira coisa que ela perguntou aos seqüestradores? Se haveria baratas no ambiente em que ela ficaria. O medo de baratas apavorava-a mais do que os seqüestradores. Por quê? Porque na sua infância registrou a imagem de adultos em pânico diante de baratas. Infelizmente havia no cativeiro muitas baratas. Uma cobra apareceu e quase a picou, mas nada a perturbou tanto quanto as baratas.

Para dormir ela suplicava calmantes aos seqüestradores. O medo encarcerou sua liberdade. Há medo de todos os tipos: medo de perder o emprego, de ser assaltado, de um ataque terrorista, de andar de carro, de ficar sozinho, de ser rejeitado, de fracassar. Quais são seus medos?

UM MEDO MUITO ESTRANHO
Recentemente uma jovem universitária disse-me que tinha um medo incomum: pavor de pássaros. Um trauma na infância levou-a a ter medo das inofensivas aves. Contou-me que podia enfrentar um cachorro bravo, mas não um beija-flor. Como nossa mente é complexa!
Quem controla a nossa mente não é a realidade real de um animal, pessoa ou situação, mas a realidade emocional registrada na memória. Temos uma fantástica inteligência, deveríamos ser livres, mas facilmente criamos gigantes em nosso inconsciente que nos ameaçam e nos aprisionam.

ESQUECIMENTO
Nossa memória é inúmeras vezes mais sofisticada do que a de um supercomputador. Mas as pessoas estão reclamando de que estão esquecidas, com memória “fraca”. Elas esquecem encontros, objetos, novas informações. Desesperadas, procuram médicos, mas nada encontram. Deixe-me dar uma refrescante notícia. Não existe memória fraca, mas bloqueada, devido à proteção cerebral. Como o cérebro tem mais juízo do que nós, ele trava a memória para evitar que pensemos muito e gastemos energia excessiva. Bendito esquecimento.

UMA BOA NOTÍCIA PARA JOVENS E ADULTOS
Quer abrir as janelas da memória e libertar a inteligência? Quer brilhar nas reuniões de trabalho e emitir opiniões lúcidas? Quer ser uma fera intelectual nos concursos e entrevistas? Primeiro estude dedicadamente. Segundo, controle a fera da insegurança e do medo que habita em sua emoção! O cérebro interpreta o medo como se sua vida estivesse em perigo, por isso bloqueia os arquivos e produz os famosos “brancos”. Você tem uma fantástica inteligência. Mas lembre-se de que o medo de falhar acelera a derrota.

DICAS PARA PROTEGER A MEMÓRIA
Viva intensamente “as leis” para ser feliz: contemple o belo, gerencie a emoção, trabalhe perdas. Mas o que fazer com os traumas já registrados? É necessário reeditar o filme do inconsciente, sobrepondo novas experiências sobre as antigas. Eis o maior desafio da inteligência! É necessário “criticar” diariamente as imagens doentias da memória que nos controlam. É necessário também “não pedir” mas “determinar” ser alegre, ousado, seguro, saudável. Essas ferramentas reurbanizam as favelas do medo, do ódio, da autopunição e nos libertam.

Trecho do Livro Dez Leis Para Ser Feliz autor: Augusto Cury

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado