25
setembro

Pensar, tentar, lutar e arriscar para transformar

Semana passada recebi o relato de um pai, cidadão israelense pela internet que me emocionou muito. E resolvi, portanto, compartilhar as minhas impressões. Eu sempre acreditei que pequenas ações podem se tornar grandes e que nós sempre podemos contribuir por um mundo melhor.

Penso que a união de pessoas de bem pode sempre se sobrepor ao poder. Essa idéia vem como uma confirmação do meu último post: Vulnerável sim, e daí? Neste post anterior eu defendo que o fato de sermos vulneráveis não poderia, nem deveria nos paralisar. Somos limitados sim! Mas se nos acomodarmos nesta limitação e não nos arriscarmos ficaremos mais limitados ainda.

Podemos e devemos lutar por algo que acreditamos ser o melhor, mesmo que isso muitas vezes possa não trazer grandes resultados. Não podemos controlar o mundo, as pessoas à nossa volta, nossos amigos, nossos pais, nossos filhos, mas podemos controlar as nossas atitudes. Podemos decidir amar, mesmo que o outro que esperamos que nos ame não saiba como fazê-lo. Se não tentarmos sair dos nossos casulos por medo de fracassar ou de ninguém nos acolher, nada mudará e permaneceremos pequenos e aí sim nos sentiremos fracassados. Que esse exemplo de cidadania e amor nos contamine.

Muitas vezes não concordamos com as atitudes dos nossos governantes e representantes e não fazemos nada achando que nada adiantaria uma atitude isolada. Mas essa atitude pode servir de incentivo a outros e mais outros……. e podemos dar início a uma nova forma de pensar, sentir e agir. Podemos ser donos da nossa história e quem sabe protagonistas de um novo movimento. Precisamos nos inserir mais para promovermos mudanças. De que adianta ficarmos parados reclamando sobre o que nos fizeram, culpando o mundo pelos nossos problemas? Vamos agir utilizando os nossos recursos e focando no que podemos fazer. Vamos exercer a nossa cidadania e nos envolver com a nossa comunidade e o mundo que nos cerca.

Essa semana eu estarei promovendo um encontro com alguns candidatos a vereador na minha comunidade para que possamos discutir leis que possam ser implementadas no próximo mandato. Eu já estou fazendo a minha parte. E você? Essa atitude desse profissional, pai, cidadão merece ser compartilhado. Texto de: Renata Borja

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado