29
dezembro

Onde Você Vive Hoje: no ontem ou no amanhã?

Grande parte das pessoas não vive o presente: estão vivas hoje, no entanto se ocupam muito com o passado ou com o futuro. Muitas delas justificam seu fracasso atual com angústias que sofreram em sua infância, ou pela falta de amor em sua adolescência. Outra parte delas é desencorajada por tudo o que terá que enfrentar amanhã, pela ansiedade de como será o próximo dia.

Será que no mês seguinte ainda estarão no mesmo emprego, com o mesmo chefe? Ainda estará na mesma situação? Será que aquele projeto vai vingar? Será que aquele grande amor aparecerá? A frase de todo o preocupado começa ou termina com “será?”. Todo preocupado sente que controla o tempo, como se “resolver” situações (apenas mentalmente, por isso está entre aspas) tentando antecipar um problema que está por vir, eliminasse o mesmo.

Muito pelo contrário! Quando “resolvemos” algo antes que aconteça, exaurimos nossa energia e quando a situação nos é realmente apresentada, sentimos cansaço, preguiça, esgotamento, desânimo, insegurança e até raiva da situação, por mais simples que seja sua real solução. Os traumatizados pelo passado também vivem uma situação similar, pois aquele que sofreu uma decepção profissional ou amorosa, carrega o fracasso e o desafeto consigo. Eu chamo isso de “Síndrome de Zumbi”, pois o passado está morto, enterrado, passou. Porém continua vivo na lembrança do “traumatizado” e com essa força dá vida a um “Zumbi” (morto-vivo) assim, ele vem atormentá-lo sempre que a pessoa tenta enfrentar uma situação parecida.

Por exemplo: me lembro de ter atendido um cliente que chegou desesperado, pois não conseguia abrir sua loja comercial. Depois de algumas sessões, descobri que ele carregava muitas crenças negativas, pois no passado ele já tinha tido uma loja, porém não foi bem sucedido. Com problemas financeiros teve que encerrá-la. Neste caso, suas crenças de fracasso pessoal alimentavam sua “Síndrome de Zumbi” no aspecto profissional, ou seja, ele levava adiante sua imagem de fracassado e a trazia para o presente. Ainda assim, quantas pessoas deixam de tentar um relacionamento novo, carregando o desafeto sofrido pelos relacionamentos passados? Mesmo que não saibam e queiram convencer-se de que estão bem sozinhas, geralmente não querem enxergar sua “Síndrome de Zumbi” afetiva.

O maior conflito nesta questão é que as pessoas que vivem deslocadas no tempo, tanto no passado como no futuro vivem uma ilusão indistinguível pelo cérebro que não sabe diferenciá-la da realidade. Assim, suas ilusões são sentidas como verdadeiras e a partir daí sua mente começa a criar sua realidade de forma deturpada, de forma a não sentir o prazer de viver. Vejamos alguns sintomas das pessoas que vivem deslocadas no espaço-tempo: vivem desmotivadas, envelhecem mais rápido, não se sentem bem em nenhum ambiente, estão sempre com pressa e não sabem o porquê, choram sem motivos, não arriscam em nenhuma área, nem fazem novos planos, não percebem o ambiente ou as pessoas ao seu redor, têm a sensação de desvalor e sentem sua vida estagnada.

Existe cura para quem vive no ontem ou no amanhã? Sim existe… Sei que você já concluiu a resposta. Claro, a cura é viver aqui e agora, viver no presente. Contudo, geralmente isso não é algo que possa ser resolvido apenas teoricamente ou através de uma simples explicação, mas sim através de vivências psicoemocionais bem orientadas por um profissional para que no caso específico sejam apresentados ao cliente, os mecanismos que o afastam do presente. O passado já passou, inclusive ontem, já foi. O exato momento em que acabar de ler este texto já é passado. O amanhã ainda não existe e depende exclusivamente de você, que é co-criador dele. A única coisa que você pode fazer hoje a favor do seu sucesso é viver com o melhor que puder no presente, fazendo deste exato momento o seu melhor PRESENTE!!!

Dr: Mário Sabha Jr.

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado