23
abril

NOSSAS DECISÕES E SUAS CONSEQUÊNCIAS

Na vida, quando as coisas ficam fora de controle, a quem atribuir culpa? A experiência me ensinou que sou eu quem cria grande parte do meu próprio caos. E creio que isso pode se aplicar a você também! É universal: somos individualmente responsáveis pela turbulência em nossas vidas, ao menos por grande parte dela.

Vivemos em um mundo em que as pessoas querem lançar culpa das circunstâncias sobre alguém ou alguma coisa: pais, empregados, ambiente, sociedade, situações. Na realidade, porém, quando as coisas dão errado e queremos saber o motivo, tudo o que precisamos fazer é olhar no espelho.

Por exemplo, se você comprar um carro e depois não gostar dele, a pessoa que decidiu comprá-lo e tomou essa decisão, criando uma ‘agenda de manutenção’ que se tornou problemática, foi você.

Alguns veem a insatisfação no casamento aumentar, mas foram eles que decidiram dizer ‘sim’ para legalizar a união com seu cônjuge, e criaram outro tipo de ‘agenda de manutenção’, que os deixou desiludidos e desapontados.

Você já se sentiu infeliz com seu trabalho? Conscientize-se que você decidiu trabalhar ali, influenciou ou permitiu condições que contribuíram para seu sentimento de desconforto, infelicidade e insatisfação.

Vez após outra tenho aprendido que grande parte das consequências difíceis e desafiadoras com as quais tive de lidar foi resultante de minhas decisões prévias, erradas ou deficientes. O que posso fazer a respeito? Embora eu não possa mudar o passado, tento agora tomar decisões melhores desde o início.

Como aprendemos a tomar decisões melhores e moldar um futuro mais atraente e satisfatório? Existem muitas maneiras de tentar, mas descobri que a melhor delas é ler diligentemente a Bíblia todos os dias. Durante essas leituras diárias deparei-me com a seguinte passagem que oferece discernimento especial:

Jesus disse a Seus seguidores:’Por que vocês Me chamam ‘Senhor, Senhor’ e não fazem o que Eu digo? Eu lhes mostrarei com quem se compara aquele que vem a Mim, ouve as Minhas palavras e as pratica. É como um homem que, ao construir uma casa, cavou fundo e colocou os alicerces na rocha.  Quando veio a inundação, a torrente deu contra aquela casa, mas não a conseguiu abalar, porque estava bem construída. Mas aquele que ouve as Minhas palavras e não as pratica, é como um homem que construiu uma casa sobre o chão, sem alicerces. No momento em que a torrente deu contra aquela casa, ela caiu, e a sua destruição foi completa’ (Lucas 6.46-49).

Frequentemente ouço: ‘Insanidade é fazer a mesma coisa vez após outra, esperando obter resultado diferente.’  Se você está satisfeito onde se encontra, permaneça. Mas se está experimentando áreas de insatisfação, e mesmo sofrimento, sugiro que cave profundamente na Palavra de Deus, para poder fazer o que Ele lhe manda fazer. Descobri que, como foi Ele que nos projetou, Ele sabe como funcionamos melhor e nos instrui de acordo com isso.

Deus é o Pai que verdadeiramente sabe o que é melhor.

Texto de autoria de Ken Korkow, que vive em Omaha, Nebraska, U.S.A., onde serve como diretor regional da CBMC. Este texto foi adaptado da coluna ‘Fax of Life’, que ele escreve semanalmente. Tradução de Mércia Padovani. Revisão e adaptação de J. Sergio Fortes.

PapoSério

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado