21
julho

Libertando-se através do perdão

Muitas pessoas carregam consigo ressentimentos e mágoas por conta do que outras pessoas fizeram ou deixaram de fazer a elas. Ficam anos e até uma vida inteira presas a esses ressentimentos, sofrendo, sentindo-se injustiçadas e alimentando o papel de vítimas.

Na verdade, muito provavelmente, as pessoas que as magoaram, não estão pensando nelas, nem estão se importando mais com a questão. Portanto, quem está preso ao ressentimento, está dedicando seus pensamentos, seus sentimentos e sua energia a quem nem se afeta com isso. Inclusive algumas pessoas já estão até mortas.

Ressentimentos são alimentados quando a pessoa ainda está tentando provar que está certa e o outro está errado, talvez querendo mudar o que aconteceu no passado, ou quando ainda sente amor pela pessoa que a magoou e por isso prefere manter uma ligação negativa, a se desligar completamente.

A situação pode servir para justificar o fato da sua vida estar travada ou como desculpa para não assumir o controle da própria vida.

Se quisermos ter uma vida melhor, precisamos perdoar. Quem está preso ao ressentimento, perde sua paz de espírito, seu poder para transformar sua vida e  ser mais feliz.
Perdoar é libertar-se. Não é pelo bem da outra pessoa, mas pelo seu próprio bem. Há um
ditado budista que diz: “agarrrar-se à raiva é como agarrar-se a brasas com a intenção de atirá-las em alguém; no final é você quem vai se queimar”.
O perdão é a oportunidade de aprendermos lições a respeito do nosso comportamento e o dos outros, de impormos limites claros, de nos protegermos de modo saudável, e de abandonarmos o papel de vítima e assumirmos o nosso poder.
É preciso aceitar o passado, até porque ele não vai mudar, e direcionarmos a nossa força para a construção de um futuro feliz.
Abraço carinhoso a todos!
Claudia Palumbo
psicóloga
Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado