26
dezembro

Dança comigo?

Quando um casal dança junto, em sincronia, desliza pela pista, os passos, os gestos, o ritmo…tudo traduz harmonia e equilíbrio, parceria e companheirismo, as duas pessoas ali são igualmente importantes e fundamentais naquele momento. É assim que todos os casais almejam que suas relações amorosas sejam no dia-a-dia e para o resto de suas vidas. Mas infelizmente nem sempre é assim…às vezes a dança do amor é difícil de ser dançada!

As pessoas buscam incessantemente pelo parceiro ideal que significa ser alguém muito semelhante a elas mesmas, encontrando dificuldade porque esta pessoa não existe fora de nós! Temos que driblar as questões nada agradáveis que podem surgir nas relações como ciúmes, possessividade, diferença de opiniões, competitividade, mágoas guardadas, carência de afeto e atenção…uma infinidade de conflitos que muitas vezes se pensa em resolver tentando mudar o outro, o que é absolutamente ilusório. Aí vem a frustração.

E o que fazer quando estamos perdendo a sincronia dos passos?
Primeiramente, devemos lembrar sempre de que só temos controle do nosso próprio comportamento, nunca o do outro. A outra pessoa não nos pertence, apenas faz parte da nossa vida. E que a comunicação eficiente é o maior segredo para o sucesso das relações amorosas, o que nem sempre é fácil de se conquistar. Cada pessoa tem uma história de vida única e pensa e age de acordo com ela, mas, se tentarmos “entrar” neste mundo individual, conseguiremos compreender um pouco mais, com certeza iremos encontrar a intenção positiva com a qual a pessoa amada se move em nossa direção. Acrescentando também na relação o respeito, a flexibilidade, a tolerância, sempre ampliam possibilidades de soluções e amenizam as crises.

Continue sempre fortalecendo sua auto-estima para ter qualidades para oferecer à pessoa amada, devemos ser pessoas inteiras e não metades tentando ser completadas, e, somar sempre com o outro. Nem sempre conseguimos investir em nós mesmos como gostaríamos e nos aperfeiçoar em certas habilidades, muitos fatores podem nos dificultar, às vezes a relação já está tão desgastada que até pode se perder a esperança, nestes casos a ajuda do profissional psicólogo é bastante confortante e útil. O amor é o sentimento mais nobre do ser humano e vale a pena ser vivenciado em sua plenitude.

O amor é realmente como a dança…tão poderoso que se praticado com sabedoria “pode colorir a sua vida em tons vivos de magenta que nunca imaginou existirem. Mas deve encarar seus desafios com coragem e seriedade se quiser colher seus benefícios”, vamos continuar dançando?

Giselle Dechen – Psicóloga

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



2 ideias sobre “Dança comigo?

  1. Concordo plenamente que a dança é o melhor remédio para as dores da alma,acredito ser esse o motivo pelo qual, estou sempre de bem com a vida,muito embora pode parecer que não. Adoro dançar ,sinto não ter tido uma oportunidade no tempo certo quando ainda era criança.Talvez teria sido uma
    bailarina.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado