15
junho

Como melhorar o mau humor

Sabe aquela pessoa que nunca está contente com nada?

Está apenas reclamando de tudo? Vê o lado negativo de todas as coisas? Saiba que os rabugentos de plantão podem estar sofrendo de uma doença, a denominada distimia, isto é, é considerada como um transtorno estendido de forma crônica da depressão,

que geralmente pode apresentar alguns sintomas, como sentimento de insegurança e desesperança, alterações no apetite, isolamento social, alteração quanto à quantidade e qualidade do sono, e baixa energia e/ou fadiga. Assim, o mau humor para muitos psicólogos e especialistas é considerado como uma doença, no qual o doente, denominado de distímico, geralmente atribui a culpa de tais responsabilidades em outras pessoas pela a sua desfavorável situação.

De acordo com profissionais, este é um dos transtornos do humor mais comum, sendo que segundo estimativas afeta aproximadamente 5% da população geral, tanto homens quanto mulheres. No entanto, muitas pessoas que sofrem com este problema não sabem que o tem, sendo que os distímicos acreditam que os sintomas de negativismo, pessimismo, baixo nível de energia e tristeza são comuns e normais.

No entanto, a doença não por ser ignorada, pois este doente tem maior capacidade de desenvolver quadros depressivos mais graves, tendo maiores probabilidades quanto às pessoas que não sofrem com este distúrbio de até 30% mais. De acordo com psicólogos, este problema conta com tratamento, o qual geralmente é composto por sessões de psicoterapia e uso de medicamentos antidepressivos.

Para muitos especialistas, o mau humor é considerado como um traço da personalidade, já que o mesmo está sempre associado à afetividade, o qual conta com uma personalidade persistente e estável, refletindo assim em seu comportamento em relação a diferentes situações da vida. Mas agora diga com sinceridade, você acabou de ler esse artigo reclamando e resmungando ou lembrou-se de alguém rabugento? Então, procure ou indique uma visita ao médico, sendo que é válido ressaltar que a tristeza não tem fim, mas pode ter cura, só depende de você!

Fonte:

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado