22
dezembro

Como lidar com a depressão do final de ano

O Natal e as festas de fim de ano estão chegando e para muitos, está chegando também a fase das depressões. Muitas vezes esse sentimento de desamparo e desânimo é provocado por datas que nos trazem lembranças tristes.

Ou por perdas, como a de entes queridos, separações, desemprego, doenças. Todos esses fatos provocam o que podemos chamar de depressão natural. É normal e necessário que alguém se deprima quando sofre uma perda.

O que não pode ser aceita como natural é a depressão patológica, aquela que persiste por anos e transforma o dia-a-dia numa relação de mau humor, tristeza, mágoa e falta de perspectiva. Esse tipo de depressão é classificado como doença, precisa de acompanhamento médico e tem hoje excelentes tratamentos. Neste artigo, quero chamar a atenção para a importância da depressão no seus vários níveis, e lembrar que a pessoa deprimida precisa ser compreendida e cuidada.

Depressão nas festas de fim de ano

De uma forma ou de outra, com mais dinheiro ou menos dinheiro, está começando a estação do ano onde costumamos fazer balanços, projetos e festas.

O que pode parecer a época mais feliz do ano, para muita gente é bem o contrário. Natal e encontros de família, para essas pessoas, podem se transformar nos momentos mais tristes e difíceis de suportar. Na maioria das vezes, são pessoas deprimidas ou que estão passando por uma crise de depressão.

Para algumas, a causa está nas lembranças desse período, na falta de alguém, por exemplo, e a tristeza costuma ir embora assim que as festas também se vão. Para outras, o Natal só vem agravar uma sensação de desânimo e falta de autoestima que torna todas as coisas difíceis e sem graça alguma, o ano inteiro. Essas pessoas precisam de compreensão e ajuda médica, pois estão sofrendo da doença depressão.

O Natal daqui a alguns dias, é a época que mais afeta os depressivos, embora a depressão seja um mal que ataca em qualquer estação do ano. A depressão virou também uma espécie de mal da nossa época, certamente porque vem sendo estudada mais do que nunca e, com certeza, porque a indústria farmacêutica investiu muito nessa área, com resultados animadores. A Organização Mundial da Saúde estima que 15% da população mundial apresente algum quadro de depressão ao longo da vida.

O luto é um sentimento necessário

O primeiro passo é tentar distinguir entre a depressão natural, aquela provocada por um sentimento de tristeza por alguma perda e a depressão patológica, que se agrava e permanece sem uma razão que justifique, e que precisa ser tratada por especialistas.

A depressão natural ou normal pode ser provocada por fatos graves como a perda do emprego, a morte de algum ente querido, o fim de um casamento, uma doença séria, o afastamento de um filho. São perdas que precisam de um tempo para serem absorvidas e superadas. Tentar ignorá-las será sempre pior.

Especialistas dizem que a perda de alguém só é superada depois de seis meses a um ano de luto. Tentar fazer de conta que esse fato não afeta a vida é lutar contra um sentimento que mais tarde voltará em forma de depressão muito mais grave.
Para essas depressões que têm causa conhecida, e para aquelas pessoas que se sentem deprimidas de tempos em tempos, há uma série de sugestões que podem ajudar a reduzir seus efeitos sem o uso de medicamento.

Dicas para diminuir a tristeza

Uma das mais eficazes é o exercício físico. Começar uma atividade qualquer, seja caminhada, ciclismo ou natação, dá ao corpo e à mente uma disposição nova capaz de animar o resto do dia. Você se sentirá mais forte, mais auto-confiante, se animará a fazer planos, e isso com certeza diminuirá sua tristeza e a sensação de que não é capaz de nada. O exercício físico atua em neurotransmissores que aumentam a disposição física e mental.

Muitas vezes a depressão está associada a sentimentos de solidão e isolamento, à falta de um contato físico. Por isso, especialistas em práticas alternativas sugerem tratamentos com massagens de todos os tipos, especialmente as relaxantes. Sentir o corpo, ajuda a ganhar nova disposição e a sentir-se vivo, com vontade de viver.

Há outras dicas conhecidas, que se fundamentam em exercitar o pensamento positivo. Se você diz a você mesmo que vai sair dessa fase, que você não é uma vítima, que é capaz e vai conseguir, certamente terá mais chance do que aquele que pensa o contrário.

Outro aspecto é a solidão e o fechamento em nós mesmos, tendência que muitas vezes acompanha a depressão. Sem a referência dos outros, sempre vamos achar que estamos sós e que nossa situação é a pior de todas. É por isso que os grupos de auto-ajuda como esses que reúnem alcoólatras e familiares de vítimas da violência, por exemplo, conseguem resultados que parecem milagres. Ao ouvir pessoas que estão vivendo uma situação semelhante à nossa, é natural que nos sintamos encorajados.

Nem é preciso participar de grupos de auto-ajuda, basta procurar estar mais tempo com as pessoas de quem gostamos e falar com elas sobre o que estamos sentindo e vivendo. Conversar, colocar para fora o que está dentro de nós, vai com certeza trazer alívio. Isso vale para mágoas, ressentimentos, angústias, a sensação de que estamos sendo enganados ou injustiçados.

Quando depressão é doença

Quando a depressão não é mais a consequência direta de fatos que estão nos afetando, ela precisará ser cuidada por especialistas, muitas vezes com psicoterapia e medicamento. Esses casos são identificados por sérias alterações no dia-a-dia e que se repetem por semanas. São irregularidades no sono, às vezes com insônia, às vezes com sono demais, e que sempre resultam numa grande sensação de cansaço ao acordar.

São sentimentos de inutilidade ou culpa excessiva ou inadequada, que podem se juntar a ideias de suicídio e de morte. Perda de interesse ou falta de prazer em quase todas as atividades, incluindo festas, passeios e atividade sexual, na maior parte do tempo e quase todos os dias. A depressão também se manifesta por alterações no apetite e consequentemente no peso, com ganhos e perdas. E interfere no sistema imunológico: uma pessoa deprimida, tende a ter suas doenças agravadas.

As depressões patológicas podem ter causas genéticas e biológicas, entre outras. Mas há também razões sociais que explicariam, por exemplo, a razão pela qual a depressão é duas vezes mais frequente em mulheres.

A identificação correta da depressão e o adequado tratamento dependerão do histórico de cada um, que o especialista fará ouvindo-o com a atenção. Hoje, medicamentos de última geração, vendidos como genéricos, por isso a preços mais acessíveis, significam uma grande ajuda para milhares de pessoas.

A depressão precisa ser levada a sério e tratada em todas as idades. Uma criança pode estar deprimida e os adultos à sua volta podem achar que está apenas querendo chamar a atenção. Os jovens, mesmo estudantes universitários, são vítimas da doença. Não é por acaso que alunos de medicina são os que mais tentam suicídio entre jovens da sua idade.

Os idosos são os que precisam de maior atenção. Com a perda de familiares, da saúde, das atividades que costumava exercer, do salário, o idoso reúne muitos motivos para cair em depressão. Não podemos, de forma alguma, enxergar esse quadro como natural. Medicado e melhor cuidado, esse nosso pai, tio, amigo ou avô poderá viver o resto de sua vida muito mais feliz.

por Jocelem Salgado

Ansiedade e Síndrome do final do ano por Renata Borja

Ansiedade, um retrato do mundo moderno. Saiba quais são os principais sintomas. Síndrome do final do ano, época de festas que provoca “estresse da felicidade”. Tive a honra de bater um papo com a psicóloga Renata Borja que com maestria fala sobre os dois assuntos.

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE, MENTE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado