17
agosto

APRENDER A “OLHAR DEVAGAR”…

Vivemos os tempos da pós-modernidade…tempos de “pouco tempo”, onde a pressa dita as normas de uma vida sem paciência. Estamos com a “vista cansada”!!! Estamos cansados de tanto ver e, assim, já não conseguimos enxergar…perdemos a nossa capacidade de simplesmente…olhar.

Saímos todos os dias das nossas casas, muitas vezes percorrendo os mesmos caminhos, porém não mais percebendo o encanto, as novidades, os espetáculos que o universo nos apresenta todos os dias. O mais sério disso tudo é que também somos incapazes de perceber as pessoas…banalizamos os olhares para os que nos cercam…é aí que mora o perigo da chamada indiferença, da falta de vontade em compreender o humano que habita no outro.

Como podemos aspirar à condição de “ser humano” se nos olhamos com tanta brevidade ou se nem mesmo somos capazes de nos olhar? Onde está a medida do homem para avaliar o seu semelhante? A medida de avaliação do ser humano pós-moderno está nas suas próprias necessidades…é “olho no próprio umbigo”, os limites estão bem claros.

No decorrer dos nossos dias, os “frutos amargos” são facilmente percebidos na nossa incapacidade de perdoar, nas dificuldades em nos abrirmos a um conhecimento mais profundo, na nossa falta de generosidade e insensibilidade diante dos sofrimentos e problemas do outro. Isso tudo vai enrijecendo o nosso coração com atitudes cada vez mais egoístas, que nos fecham e nos fazem mestres na arte dos julgamentos apressados e precipitados, fato que vem causando tantos estragos na alma humana.
Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado