4
junho

A espera faz parte da vida

Vamos, então, Levantar e agir Com. entusiasmo para qualquer resultado; ainda realizando, ainda perseguindo, aprender a labutar e a esperar. HENRY WADSWORTH LONGFELLOW. Em Para todo problema há uma solução, Wayne Dyer escreve sobre um vôo que fez para a Grécia onde ia participar de uma corrida. Seu avião ficara retido em Nova York durante oito horas, tempo durante o qual a maioria de seus companheiros de viagem ficou andando de um lado para outro, se queixando e reclamando. Com exceção de uma pequena senhora grega, com cerca de oitenta anos, que permaneceu o tempo todo sentada em um canto.

“Absolutamente serena… não demonstrava nenhum sinal de desânimo.”
Ao entrarem no avião, essa senhora sentou-se perto de Wayne. “Ela sorriu para mim e aí, acredite você ou não, nas treze horas seguintes… ela não se mexeu uma única vez. Não
comeu, não bebeu, não se levantou, não assistiu ao filme, não reclamou, não se movimentou – não fez nada além de permanecer sentada na mesma posição em que estava na área de embarque, com a mesma aparência serena em seu rosto.” Quando o avião finalmente aterrissou na Grécia, vinte e duas horas após terem iniciado a viagem, ela “estava animada, bem-disposta e alegre” no momento em que encontrou aqueles que a esperavam.

“Até hoje”, ele relata, vinte anos depois, “todas as vezes em que me vejo envolvido em uma situação de atraso semelhante, lembro-me daquela pequena senhora grega toda vestida de preto, e isso me dá uma grande paz interior.” Aquela senhora de preto sabia algo que muitos de nós esquecemos – que a vida exige sempre que esperemos, e que temos a opção de fazê-lo com felicidade ou com tristeza. Esta foi uma lição que aprendi à força. Nos últimos dois anos e meio tenho viajado muito a trabalho, e detesto esperar. Mais do que qualquer outra coisa, viajar significa enfrentar muitas filas: para apresentar a passagem, para passar pelos agentes de segurança de vôo, para entrar no avião, para sair do avião, para alugar um carro…

Há pouco tempo, meu marido me perguntou por que eu logo me irritava com a perspectiva de esperar na fila. Não consegui encontrar uma resposta até ler o livro de David Baily Harned chamado Patience-. How We Wait Upon the World (Paciência: como aguardamos as decisões do mundo). Lá estava ela de maneira clara: uma das crenças dessa nossa era da impaciência é de que “o ato de esperar não está na essência e no centro da vida humana; que ele é, de alguma forma, acidental: nós não deveríamos precisar esperar. O progresso humano deveria incluir a emancipação da necessidade de esperar, já que a ciência e a tecnologia nos libertaram de muitas formas de dependência de nosso ambiente natural”.

É isso, pensei. A sociedade deveria ter desatado todos os nós para que não houvesse espera em nenhum lugar! Não sou o único a acreditar nisso, diz Harned. A maioria dos seres humanos acha que o ato de esperar representa uma falha em algum sistema. No entanto, os seres humanos sempre precisaram esperar – o tempo ideal para plantar, o término das pragas, a volta de seus entes queridos após anos no mar, sem saber se estavam vivos ou não. Agora, a única diferença está naquilo que esperamos, e não na necessidade.

Na realidade, adverte esse professor de estudos religiosos, a espera causada por fatores que não podemos controlar só ira aumentar com o avanço da tecnologia e da complexidade da vida. As pesquisas mostram que uma pessoa normal passa onze dias por ano em filas – isso sem contar o número de horas em carros, em aviões, ou falando com secretárias ele-Irônicas até conseguir falar com uma pessoa real. A tecnologia não reduz o nosso tempo cie espera – apenas muda o motivo da espera.

O professor Harned me ajudou a perceber que, embora com certeza os sistemas possam ser aperfeiçoados, o ato de esperar não poderá jamais ser eliminado completamente. Quanto mais aceitarmos essa verdade, como a velhinha grega fez, mais felizes ficaremos. Pense nisso na próxima vez em que seu sangue começar a ferver por causa de um sistema de atendimento automatizado, de uma ida à agência dos correios ou com o fato de seu computador ter pifado. Viver é, pelo menos em parte, esperar.

Trecho tirado do Livro: O poder da Paciencia – M.J RYAN

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Uma ideia sobre “A espera faz parte da vida

  1. ah o tempo… bendita espera… o tempo de espera da cura uma dor, de suportar uma ausência, de colher… de voltar a sorrir… é necessário… não me irrito, só uma espera me exaspera… os engarrafamentos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado