30
setembro

A dependência de álcool ou outras drogas

Uso de álcool para aliviar ansiedade e “baixo-astral” leva à dependência

Consumir álcool para “afogar as mágoas” e aliviar o estresse pode ser uma porta de entrada para o alcoolismo para pessoa com sintomas de ansiedade. Pessoas com problemas como transtorno de pânico ou fobias são especialmente vulneráveis a esse fator de risco.
Pacientes que praticavam o consumo “terapêutico” de bebidas alcoólicas (ou de qualquer outro tipo de droga) contra a ansiedade aumentaram de três a seis vezes o risco de dependência. Estudos sugerem que 15,9% dos diagnósticos incidentes de transtornos do álcool nessa população podem ser atribuídos à automedicação com álcool.
A dependência de álcool ou outras drogas atuam contra a melhora de sintomas de ansiedade a longo prazo. Agem apenas de forma paliativa e circunstancial. Dessa forma, cria-se um círculo vicioso e a automedicação com álcool tem ainda tendência a se tornar vício.
O abuso de álcool e drogas é particularmente alto como fator de risco para um tipo específico de transtornos de ansiedade: a fobia social.
O transtorno de ansiedade acompanhado de dependência também é mais difícil de tratar, porque a abstinência pode provocar uma intensificação dos sintomas que são típicos da ansiedade.
Ao identificar um comportamento real ou potencial de automedicação com álcool, os médicos, pacientes e familiares podem trabalhar para prevenir o surgimento simultâneo da ansiedade ligada ao alcoolismo nesses pacientes.
O ideal é a pessoa com muita ansiedade procurar ajuda profissional, passando por um bom psiquiatra. A partir de então, pode utilizar de várias estratégias em combinação com o tratamento médico para aliviar a ansiedade, como caminhadas, meditação, relaxamento, exercícios de respiração, yoga, etc.Dr. Tarcio, médico-psiquiatra
Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado