3
maio

21 minutos para ser mais feliz no amor

Exercícios breves de escrita ajudam a enxergar problemas racionalmente, dissolver mágoas e manter o respeito pelo parceiro

Relacionamentos íntimos, como o casamento, estão entre as fontes mais significativas de satisfação individual. Várias pesquisas relacionam a felicidade conjugal a uma vida mais longa e com maior qualidade. Obviamente não há formulas infalíveis para manter o desejo sexual, a cumplicidade, a amizade e o prazer de partilhar a vida. Mas um estudo da Universidade Northwestern, em Illinois, aponta que escrever sobre os conflitos e expectativas frustradas pode ajudar muito. Mais precisamente, afirmam os autores, bastam 21 minutos de escrita por ano para renovar a disposição do casal.

O psicólogo Eli Finkel acompanhou 120 casais durante dois anos. Ao longo do primeiro ano, entrevistou a cada quatro meses todos os homens e mulheres sobre seu grau de compromisso, intimidade, afeto e desejo, entre outros aspectos, além de pedir que relatassem resumidamente a desavença mais grave que tiveram com o parceiro nas últimas semanas. No segundo ano da pesquisa, solicitou que metade dos casais executasse um exercício simples, administrado on-line pelos pesquisadores a cada quatro meses: escrever resumidamente, durante 7 minutos, sobre a discussão com o parceiro da perspectiva de uma terceira pessoa, neutra sobre a questão, mas que se preocupasse com o bem-estar de ambos.

Segundo Finkel, o nível de satisfação caiu sutilmente ao longo do primeiro ano – um resultado esperado, afirma, pois replica estudos anteriores. No entanto, no segundo ano, enquanto o nível continuou a declinar entre os casais que não fizeram o exercício de escrita, ele tendeu a se manter estável entre os que escreveram. Eles também revelaram menos angústia e mágoa em relação à desavença mais recente com o parceiro, lembrando aqui que os pesquisadores descartaram casos “extremos”, como violência física.

“Os efeitos positivos do exercício se estenderam aos aspectos mais vulneráveis ao tempo, como a paixão e o desejo sexual. O mais interessante é que os resultados são semelhantes entre recém-casados e pessoas juntas há décadas”, diz Finkel, que explica que casamentos felizes são preditores de bem-estar e mesmo de saúde física. “Dedicar-se a analisar o relacionamento por apenas 7 minutos, três vezes por ano, pode ajudar a enxergar os problemas de maneira mais racional e a preservar o respeito pelo outro”, diz.

Leia mais:

Módulos de amor especializados

Paixão, amor, casamento…

Via: Mente e Cérebro

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado