10
setembro

10 Razões porque não gosto de Futebol

Por um infortúnio do destino, nascemos no “País das Maravilhas do Futebol” Crescemos ouvindo narrações de jogos, aprendendo as regras, entendendo a hermenêutica futebolística, louvando Pelé, odiando Argentinos, mandando o juiz pra put%$#*, torcendo pra algum time e fazendo silêncio sepulcral na hora dos jogos.

Em um dado momento da minha vida me dei o direito de odiar futebol. E venho aqui, por meio deste livre espaço de expressão e divagação (minha), pra embasar econômico-político-sócio-culturalmente a minha maledicência contra tal esporte. Se ao fim desta argumentação você não concordar que pelo menos um destes itens é, de fato, muito irritante (mesmo aos mais fanáticos), passo a acompanhar o Brasileirão e torcer pelo XV de Piracicaba. Roxamente.
1. São onze marmanjos de um lado, onze marmanjos do outro, que deveriam fazer terapia em grupo por almejar coletivamente e de forma frustrada uma única e estapafúrdia pelota de couro amarrado cheia de ar. Não vejo POR ONDE isto pode ser interessante.
2. Enfiar a bola dentro de um buraco incontestavelmente grande não me parece nenhum feito a ser comemorado. Não fosse por ter uma mala tentando proteger até eu faria gols.
3. A torcida me irrita profundamente. As pessoas ficam bobas, brigam feito animais, choram feito crianças. São homens, mulheres, crianças, que torcem com TANTA emoção, que me dá náuseas. Alguém precisa apresentar coisas REALMENTE emocionantes para estas pessoas. Chama o Programa do Gugu, chama as revelações da Márcia Goldschmidt, manda a Vanusa cantar o hino, bota o Nelson Ned cantando frevo fantasiado de hawaiana, faz um trio do Emílio Santiago, Elymar Santos e Wando cantando Björk . Isto é emoção, minha gente.
4. Existem mil regras tolas pra deixar tudo mais difícil, e que depois serão pautas de programas de esportes que não acabam nunca, sempre com comentários inflamados e divagações desafortunadas de analfabetos funcionais. Pra quê tanta frescura? manda neguinho correr e fazer a parte dele e tá bom, pô.
5. 90 minutos é muito tempo. Vocês hão de convir comigo que com 90 minutos na mão, pode-se ver um filme, fazer sexo mais de uma vez, rodar o shopping, assistir o SuperPop inteiro, ler o Pequeno Príncipe, malhar pra cacete, escrever várisos Posts em um blog, e tentar ser um ser humano melhor. E os acréscimos, então? Tem piedade, ó Senhor.
6. Ter que aguentar toda Quarta e Domingo em TODOS OS VEÍCULOS DE COMUNICAÇÃO os resultados dos jogos, quem sobe e quem desce na tabela do Brasileirão e as cagadas dos juízes. Pensa que se a expectativa de vida do brasileiro é de 78 anos, logo serão vividas aproximadamente 4368 semanas. Se a gente é obrigado a assistir este importúnio pelo menos duas vezes por semana, ao final de uma vida teremos suportado mais ou menos 8736 “Momentos de Resultados dos Jogos”. É muito mais do que quantas vezes você vai fazer sexo, por exemplo.
7. Aqueles fiudumasquenga dos jogadores e técnicos tem escolaridade de texugos, salários de Reis e discernimento de toupeiras. Vê o infeliz comentar a própria profissão dele, uma partida de futebol. Não sai nada! É o puro creme do milho verde academicista! É a estratosfera do pensamento. Você vai passar uns bons 18 anos dentro de uma instituição de ensino e NUNCA vai receber 1/47 avos do salário destes infelizes que não fazem nada além de correr atrás de um objeto esférico.


Joel Santana em entrevista após jogo da África do Sul, time que comandava. Salário estimado em US$ 5 milhões anuais. Victor Gouvêa, fluente em inglês, francês e espanhol; Salário = R$ 0.
8.Você ter que amar futebol como condição de existência de sua brasilidade me irrita de um jeito, que me faz odiar mais ainda. Porra, nasci no Brasil, mas ninguém me obriga a amar Bossa Nova, nem Jorge Amado, nem Paulo Autran ou Villa Lobos. Sempre tive que responder à pergunta “Que time você torce” com uma vontade louca de responder outra coisa que suprimirei aqui por se tratar de vocabulário chulo demais para ser explicitado levianamente. Torço pra quem ganha, que assim nunca me decepciono.
9. Porque sou um perna-de-pau convicto, porque sempre fui o último a ser escolhido,porque sempre me botaram no gol ou na zaga, porque tomei um coice de uma chuteira de pinos metálicos que quase me deixa aleijado, porque nunca fiz um gol bonito, porque nunca me motivei de correr atrás de um objetivo vil e efêmero e porque dou zica pro time inteiro que sempre perde.

10. Galvão Bueno.
Fonte: Blasfêmia

Publicado em ARTIGOS, AUTOCONTROLE por Rodrigo Oller. Marque Link Permanente.


Comentários via Facebook

comentários



6 ideias sobre “10 Razões porque não gosto de Futebol

  1. >Creidsnélson! disse…

    Galvão Bueno com certeza é o "divisor de águas" de quem ama incondicionalmente o futebol e dos meros mortais que preferem ler um bom livro ao invés de acompanhar uma partida.
    Só uma pessoa insana pra aguentar 90 minutos (ou mais) das piores expressões proferidas nesta vida.

  2. Acho mesmo uma coisa insana.
    E tem gente morrendo por causa dessa droga. É uma droga mesmo!
    Tem gente que deixa de comer pra ir ao estádio. Enchem os bolsos dos dirigentes. E aqueles jogadores? Bando de iletrados! É uma praga! Alienação pura o futebol. Um doutrina.

  3. Futebol = transferencia de dinheiro dos trouxedores para dirigentes, jogadores e tecnicos com os jornalistas intermediando isso. Eles tem uma vida de carroes, mansoes e alem disso fazem a limpa na mulherada, enquanto os trouxedores tem 1 mais ou menos a cada tempao.

    • Gostei muito de jogar umas peladas, mais nunca gostei de comentários de futebol e nem assistir na tv. Futebol é como maquinas de casa níquel. ahahahahahaha….

  4. Futebol nao passa de comercio
    Maneira de roubar pessoas dê cabeça fraca
    Jogadores ficam ricos como pastores dê igrejas que roubam
    Uma lavagem cerebral na mente do povo
    E por isso que o povo nao vai para frente

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado